domingo, 17 de abril de 2011

Partículas do Sentido: Equus

Eu sei que aqui ao lado tem uma lista dos blogs parceiros, etc e tal, mas aos poucos vou destacar algumas postagens e tentar divulgar um pouco mais o que a galera anda fazendo.
O primeiro a ser visitado é o Partículas do Sentido, capitaneado pelo Sr do Vale, amigo de longa data, desde os tempos do Delirium Dust – e isso já tem mais de 5 anos! -, e que faz sua arte pra lá de autêntica, que ele chama de pintura digital. O maluco é um prolífico criador de paisagens surrealistas e psicodélicas; sei lá o que ele toma pra fazer essas pinturas... hehehe

Como sua arte inspira a muitos frequentadores e esporádicos visitantes, volta e meia algumas dessas pessoas deixam nos comentários - além de suas percepções sobre a obra apresentada - versos, poemas, textos, interpretações e demais palavras que foram inspiradas por aquela específica postagem.
Ele, não só como um agradecimento ao reconhecimento dessas pessoas, traz essas “ins-pirações” para cada post, o que faz de cada postagem um motivo para a interação entre toda essa galera que tem a Arte em suas veias, mesmo que totalmente amadores – é um espaço mais do que democrático que ajuda a tirar a “frieza” que é este universo internético. Eu mesmo colaborei em várias postagens e é uma dessas que trago aqui pro Plano Z; nem é uma das melhores, mas achei que a história ficou bem bacana – o mote foi o cavalo que aparece voando no alto da tela, conforme vocês podem ver abaixo.
Passem lá no Partículas do Sentido para conferir e tentem não viajar na Arte do Sr do Vale.


Pégaso

Diz a mitologia que assim
Pégaso nasceu:
Depois que Medusa
,
Derrotada por Perseu,

Seu sangue verteu
E, desse sangue, nasceu a beldade
,
Símbolo da imortalidade,
O cavalo alado
,
Que voa à vontade

Pelo céu da eternidade,
Pelo infinito horizonte
.
Depois, Belerofonte
,
Com a ajuda de Atena,

O domou de forma plena
E se meteram em tantas aventuras
...
Ele até matou a Quimera!

Quem dera que Belerofonte

Tivesse criado juízo
,
Mas, não!

O herói orgulhoso

Teve fim desastroso,
Pois perdeu todo o seu siso

E tentou voar até o Olimpo;

O que despertou a ira,

O raio e o trovão!
É que, então, Zeus ofendido

Enviou vespa e ferrão,
Fazendo nosso herói, assim,

Cair ao derradeiro chão.
Mas Pégaso continuou o seu vôo sem fim,

Não parou nunca mais, não;
Agora voa, eterno:

Virou constelação.

6 comentários:

Maria Dias disse...

Linda a arte na tela e a poesia emoldura a tela...

Saudades de vc!

Beijo!

Maria

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

E aí, queridona?!?!?!
Valeu pela visita.
Também estou com saudades d'ocê...
Beijos mil!
ML

Maria Dias disse...

Vou te escrever com calma!

smack!!!

Boa Páscoa!

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Muita hora nessa calma!!! rsrsrs
Vou aguardar.
Beijaço e boa Páscoa pr'ocê & família!
ML

Anônimo disse...

o particulas dos sentidos é tudo isto q vc falou,menos democratico...
e olha q conheço o sr do vale a 30 anos...
uma pena...

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Caro anônimo, não concordo contigo, não. Bem, você deve ter aí seus motivos...
De qualquer maneira, valeu pela visita.
ML