terça-feira, 6 de outubro de 2015

Handwrist



Handwrist

Nós, brasileiros, em geral, temos uma impressão muito errada sobre nossos irmãos lusitanos, de que são gordos, bigodudos, andam com um galho de arruda na orelha, que são todos viciados em bacalhau, sardinhas, vinho verde e pastel de Santa Clara, que adoram chafurdar na tristeza do fado, e todos os demais clichês e falsos estereótipos que possamos imaginar; e isso sem contar os zilhões de piadas que só denigrem os lusos (mesmo que estas sejam engraçadas... rsrsrs). Ledo engano... Em se falando de música, nem só de fado e Madredeus vive a música portuguesa! Só pra constar: José Cid, Quarteto 1111, Banda do Casaco e A Presença das Formigas, rock progressivo de primeiríssima qualidade; Xutos & Pontapés e Delfins, pop rock irmão de várias bandas brasileiras do mesmo gênero; Moonspell, o equivalente português ao Sepultura, no sentido de ser “a banda de metal que deu certo fora do país”; You Can’t Win, Charlie Brown, banda indie cujo magnífico disco “Chromatics” eu postei aqui em 2012, entre tantas e tantas e além, e, finalmente, o objetivo desta postagem: Handwrist.
Handwrist, na verdade, é o projeto do faz-tudo Rui Botelho Rodrigues, que compõe, toca todos os instrumentos, canta, arranja, produz, grava, faz capa, escreve, divulga e sei lá mais o quê... rsrs O cara me parece ser um daqueles gênios workaholics, cheio de ideias e conceitos, com uma visão musical que transcende a barreira de países, línguas e linguagens artísticas, derretendo preconceitos e privilegiando a criatividade. Rui faz o tipo de música que eu mais curto: música inrotulável, inclassificável em gêneros e estilos diversos. É claro que podemos ver a influência de muitos tipos de música e de artistas e bandas em sua obra. Se dilapidarmos ao máximo, o núcleo da coisa toda é o rock, mas, mesmo esse, é feito de maneira muito peculiar – é só conferir o que deve ter sido suas primeiras gravações, no que ele chamou de Handwrist B-Sides: rock alternativo falsamente cru e pesado, cheio de referências inusitadas (tais como Smashing Pumpkins, Tool, Nine Inch Nails, Isis, Queens Of The Stone Age, entre outros) e de experimentalismos diversos.
Ao ver discografia do Handwrist como um todo, percebe-se uma evolução cheia de detalhes, que parece ter iniciado com um pé fincado no post-rock e no post-metal (esses, sim, “gêneros” que são um verdadeiro saco de gatos de bandas que fazem um som inrotulável), mas que com o tempo foi recebendo e agregando cada vez mais doses de outras vertentes musicais, como rock progressivo, jazz/fusion, avant-garde, psicodelias em geral, space rock – escolha no menu... Para aqueles que gostam de tentar colocar as coisas em uma caixinha, que é pro cérebro digerir com maior facilidade, imagine uma louca mistura de Frank Zappa, Ozric Tentacles, Hawkwind, Explosions In The Sky, Mogwai, Soft Machine, world music, new age, ambient music, grunge, Miles Davis e Tool. Tudo isso e nada disso ao mesmo tempo fazem do Handwrist o projeto musical que mais tem me instigado nos últimos tempos. É daquele tipo de música em que sempre encontramos algo novo em cada audição. Música pra quem gosta de música, de verdade. E o melhor de tudo: a alma abnegada de Rui Botelho Rodrigues deixa tudo lá na sua página do Badcamp pra todo mundo baixar no esquema “pague quanto quiser” – melhor impossível!! Além disso, confira o blog dele, que vale muito a pena.
Como eu não tive que upar nenhum disco (afinal tá tudo lá no Bandcamp), dei uma caprichada no texto e aproveitei pra curtir mais um pouco desse som totalmente excelente. Dessa forma, então, meus caros amigos, só me resta dizer mais uma coisa: divirtam-se!!

Blog Oficial
Bandcamp
Bandcamp B-Sides
Prog Archives


7 comentários:

Ser da Noite disse...

Graaaande, Maddy Lee

Resolveu reativar o blog!!!! Grande decisão!!!!
Realmente este negócio de blog é um vírus.
Bom retorno e sucesso.

Abraços

Diego Camargo disse...

Vamos ver qual é a do Lusitano e volto assim que eu ouvir! :D

Rui Botelho Rodrigues disse...

Olá Marcello,
muito obrigado pela crítica extremamente positiva. não acho que seja um génio, mas gostava de ser mais workaholic :)
ah, e já agora, gosto mesmo muito de bacalhau.
um abraço

Marcello 'Maddy Lee' disse...

Morcegão, meu irmão, valeu pela força. Mais uma vez, seja bem vindo ao nosso boteco!

Diegão, sem sacanagem, eu gostaria mesmo de saber suas impressões. Volte mesmo! Aliás, você ainda não me disse quais dos seus trocentos blogs devo colocar na lista aí ao lado...

Caríssimo Rui!! Que honra inenarrável sua presença aqui no blog!!
Eu é que tenho que te agradecer pelos muitos, vários momentos de prazer musical que você nos proporciona. Gênio ou não, workaholic ou não, és um excelente músico e tua Arte é digna de todos os elogios.
Agora, cá entre nós, eu não renego minhas raízes e também não rejeito (jamais!) um bom bacalhau, sardinhas e os deliciosos pastéis de Santa Clara!! rsrsrsrsrs

Abraços a todos!!
Valeu!

Diego Camargo disse...

Bom Marcello, ainda não ouvi o som, esse final de semana foi bem preguiçoso hehe

E sobre os blogs, vou te dar só os básicos que tem updates.

http://rockandrollarchives.net/

http://br320.blogspot.com/

http://progshine.net/ (mas se bem que eu to basicamente desistindo do Progshine :S)

Edson d'Aquino disse...

Ueeeba! Gostei disso...vou lá na casa lusitana pra baixar o que tiver.
Valeu, spacey broDim!!![]ões

Marcello 'Maddy Lee' disse...

Caraca, maluco, mizifio!!!!
Dessa vez vosmecê me surpreendeu deverasmente!
Sinceramente, eu não esperava que você se entusiasmasse com o Handwrist, mas, como sempre, "nada é o que parece ser". Te recomendo começar do último pro primeiro.
Abração!!